segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Estupefato!


Acendo um sorriso ímpar em sua face
E vejo-me em espelho, emoldurado
Por luzes que percorrem todo o enlace
E o encanto escorre em mim feliz, molhado...

Deveras sou-lhe escudo, desenlace.
Protejo-lhe com corpo já cansado,
Mas sou o seu vassalo, oh! Me abrace,
Pois tépido é seu seio a mim guardado...

Há horas que lhe espero no Universo
E sinto que nós somos gêmeas almas,
Porém sem redundâncias, quase traumas...

Daria a você meu melhor verso
Acaso eu fosse um bardo não disperso
E fossem nossas fases bem mais calmas...

Ronaldo Rhusso




 

Um comentário:

Joaquim Garcia de Araújo disse...

Muito bom. Fiquei imaginando de quem se fala mas não tenho certeza, meu entendimento da linguagem poética ainda não respira em tal profundidade. Jota Garcia