sexta-feira, 23 de maio de 2008

Queimada novamente?

Como um coração pode sangrar tanto e ainda assim insistir em bater?Como não ter o desejo de sair, mas ter de ir deixando lugar vago?Quem não toma um trago, nem recebe um afago, sente a alma queimar!Sente arder, sangrar, mundo desabar e ter de suportar quieto.Qual o caminho reto para que eu, correto, saia desse fogo?Será que era um jogo e eu pensei que era um rogo do mais profundo ardor?Será que a cor era pura, será que a ternura tinha prazo de validade?Como ver metade queimar e, ainda, se aquentar nessa chama?Minha alma reclama e proclama querer mais pois está viciada em entrar inteira e sempre sair queimada...

Ronaldo Rhusso

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Ao menos em meu pensamento...

É quando acabo as guerras mundiais;
As letais doenças que flagelam em meio a dores;
Os horrores e vergonhas dos roubos aos cofres dos governos;
Os desgovernos que imperam tão assaz;
A já demais poluição em toda forma praticada;
Acabo a viciada matança de animais os quais se tornam fétidos cadáveres mantidos nos freezers das donas de casa;
É quando estravaza, em mim, a agonia e o nojo de ainda sentir cheiro de podridão assando;
É quando vou decretando a paz entre os terráqueos de todas as espécies e raças;
É quando as praças pertencem novamente aos idosos e crianças;
Quando as esperanças não são jogadas ao vento:Pois a tudo isso avento, ao menos em meu pensamento...

Rhusso12/05/2008.

domingo, 11 de maio de 2008

Pro dia das mães

Persistência em fugir aos doze...

Imaginas se tu acordasses um dia
Sem gostosa alegria do "mãe eu não quero!
"Esmero de criança... Ai! Mas, oh que agonia!
Lembrarias do já passado, como espero.

Nem oblitero aquela triste "má-criação"!
É com muita razão que ficou lá pra trás...
Num "zás" até virou u'a recordação.
Ah! Não... Devo eu lembrar? Ou não... Mas tanto faz.

Eu, sonso, lá no cais, já pronto pra fugir.
Querendo apenas ir para orbe bem distante!
Num instante a visão convenceu desistir;

Foi só sentir em mim, ele, olhar penetrante,
Da bela visitante que pôs-se a sorrir,
Deixei sair: "- Mamãe, te amo mais que 'gigante’!”

Rhusso11/05/2008
Rhusso
Publicado no Recanto das Letras em 11/05/2008Código do texto: T985111

quinta-feira, 8 de maio de 2008

orkut - Meu perfil

orkut - Meu perfil: "Só incertezas nos restam...


Se são tantos os cantos e os recantos...
Para que os prantos, os espantos e desencantos?
Que caiam os mantos! Não há mais santos!

Os acalantos perderam os calores.
Sobraram dores, desamores e dissabores!
Nem mesmo as flores têm as mesmas cores...

Há rumores de que certa sina já declina.

Há pavores em dobrar a esquina..."
JOGADO ÀS TRAÇAS


Aqui sem rima, sem clima, sem nada...
Aqui sem gêmea alma, sem calma... Pra que palma?
Aqui sem horizonte, sem fonte... Sem mais ser ponte.

Aqui de olho aberto, desperto, decerto...
Aqui todo encolhido, desacolhido, tolhido...
Aqui com a certeza: Beleza, grandeza....Pobreza!

Aqui vendo as trapaças.

Aqui jogado às traças.

Rhusso
Publicado no Recanto das Letras em 02/05/2008Código do texto: T971447
As Quatro Dimensões Do Amor...

A primeira dimensão é amiga da razão!
Diz não porque vê mais longe e se põe pouco a sonhar...A segunda é mar de euforia;Considera alegria, promessas e boas intenções.Das dimensões, a forte é a terceira!Sonha e beira a loucura! Mesmo dura, enfrenta a realidade!É meia que metade e tem intimidade com a dor!A quarta tem a cor cinza da tristeza! Sente falta da beleza,Da destreza, da natureza forte, louca e fugidia!A quarta foi, um dia, experiente pras demais!Mas sempre a mais resignada a ponto de entender que nadaÉ bem pior que cada chance, enfim, desperdiçada...

Rhusso
08/05/2008.
poesia on-line
mote: As quatro dimensões do amor!

Publicado no Recanto das Letras em 08/05/2008Código do texto: T980040

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/rhusso

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Google AdSense - Crie uma conta


Resfriado? Mas se tou quente...

Febre, febrezinha, febrerão!
Ferverão o meu juízo desajuizado...
Mal grado aqueço frio outonal,

Tou é mal e tiritante!
Bastante acetilsalicílico...
Gosto de acrílico irritante!

Nesse instante, nessa hora, aconteça :

Vai-te embora dor de cabeça!

Rhusso

Google

Cavando fundo com o olhar!

Há muito vendei meus olhos visíveis! São tão passíveis de ver cavando raso! Não foi o acaso que me fez agir assim! É que, em mim, a paixão ultrapassou extensões incompreensíveis! São quase incríveis as cenas que meus olhos da alma vêem até o ocaso! O mundo é um vaso que ornamenta a vida até o fim! Enfim, meus olhos d'alma vêem melhor esses ornamentos! Enxergam almas em seus melhores momentos...Quando em desprendimento aprendi a ver com a alma, Tive a calma de enxergar a mim mesmo! Ví que a esmo analisava com os lumes da face embrutecida! Nessa lida aprendi a cavar fundo em busca do melhor em cada ser e em mim mesmo...

Rhusso

Publicado no Recanto das Letras em 14/04/2008Código do texto: T945100

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/rhusso

Google

...Doce gruta, bela e quente...


Se ao longe o regaço dessa, a quem me faço vassalo, está desocupado;De bom grado imagino ser meu, mero plebeu, tépido refúgio desejável!Sei ser adorável, dela, cada afeto. Circunspecto sinto o ar me deixar sereno...Ameno deve ser o recôndito pulsante, vibrante em sua calidez!Minha tez denuncia essa fantasia com frenéticos tremores.Imaginar-me em ardores entre as flores do meio dela,Faz-me ver em aquarela o que perscruta minha mente: doce gruta, bela e quente...


Rhusso


Publicado no Recanto das Letras em 12/02/2008Código do texto: T857200

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/rhusso

Minha Filosofia

A minha filosofia nada tem com o que atrofia;Não é vazia de sentimentos, mas vazia de lamentos que nada produzem.Meus pensamentos não induzem meu semelhante a ser ignorante pra que eu me sinta o melhor;Eu sei de cór tudo que deixa mudo o meu ser e que me faz bater de frente com a inconseqüência;Minha filosofia não é anuência pro massacre desnecessário de animais, como desnecessário é apontar a podre humanidade que finge pensar, mas age em cumplicidade com essa história de alimentar estômagos doentes e âmagos desvirtuados!Meus neurônios estão agitados; Preocupados com a decadência dessa existência feito praga que traga vidas e minha filosofia está decidida a não se calar ante o fedor das carniças que o mercado consome nessa desgraça que nem tem um nome, mas leva a raça humana à insana posição de praga do Universo.Minha filosofia não aproveita afã, muito menos é vã, mas está indignada!
"Se as paredes dos matadouros fossem de vidro, duvido que alguém teria coragem de comer cadáveres..."

Rhusso
Publicado no Recanto das Letras em 21/03/2008Código do texto: T910486
Achei muito interessante o comentário da Carmem Regina e resolvi posta-lo...
Carmen disse...

Não é vã, muito menos insana, ah, a impaciência que me dá, sou atingida de várias formas pelo crime de morte contra os irmãos do pasto... Ah! o repasto dos bacanas... E pensar que acima deles ainda tem muitas egrégoras... Até chegar à egrégora dos fabricantes de armas, e dela aos sextos e quintos dos infernos vai distância... Mas eu grito, ainda que não me ouçam grito assim mesmo... Meus filhos já não sentem mais o apelo do churrasco, mas continuam sentindo o apelo da grande mídia, diversão diversão diversão, entretenimento, e dê-lhe arguiles, cervejas e outros alcóolicos; em cada esquina uma farmácia e uma loja de colchões, grandiloqüentes em sua mensagem subliminar: vocês estão doentes, durmam durmam durma...até a morte chegar.

7 de Maio de 2008 11:20

-Alucinação-
Gritem que o engano foi ledo!
Gritem que o degredo foi engano!
Gritem que o insano foi por medo!
Ah! Desde cedo descobri o plano!
Abano pra tirar o calor da hora!
Mas, e agora? Lá fora nem tem enredo!
Lá fora nem tem o que procuro.
Lá fora, só vejo o muro...

Rhusso
Publicado no Recanto das Letras em 04/04/2008Código do texto: T930181
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/rhusso