quarta-feira, 7 de maio de 2008

Google

...Doce gruta, bela e quente...


Se ao longe o regaço dessa, a quem me faço vassalo, está desocupado;De bom grado imagino ser meu, mero plebeu, tépido refúgio desejável!Sei ser adorável, dela, cada afeto. Circunspecto sinto o ar me deixar sereno...Ameno deve ser o recôndito pulsante, vibrante em sua calidez!Minha tez denuncia essa fantasia com frenéticos tremores.Imaginar-me em ardores entre as flores do meio dela,Faz-me ver em aquarela o que perscruta minha mente: doce gruta, bela e quente...


Rhusso


Publicado no Recanto das Letras em 12/02/2008Código do texto: T857200

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/rhusso

Um comentário:

Carmen disse...

"...em ardores entre as flores do meio dela,faz-me ver em aquarela o que prescruta minha mente: doce gruta, bela e quente... "

E ao redor da grutinha, água pura, cristalina, e por sobre o espelho
d`agua, flutuando, pescoços-coração entrelaçados,axmctexn dois cisnes silenciosos, e por sobre o lago, pairando, pequenas esferas cintilantes recheadas de poesia,
e saltando para apanhá-las, anjo e fada, ele, poeta, ela, a mulher amada e, na ponta da língua dos
dois, o poema que ficou pra depois..