segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Parabéns Graça Azevedo!

Takara

domingo, 27 de dezembro de 2015

Cotas para que?



Mexendo Com COTAS...

Dia desses, fuçando a linha do tempo de um poeta, deparei-me com uma tal Lei do Boi...
Morro e não aprendo 1% da História desse nosso diferenciado país!
Tinha alguma informação na postagem do poeta, mas, incrédulo, fui conferir no site do Legislativo Federal...
E não é que o Presidente Costa e Silva, em três de julho de 1968 – auge do Regime Militar -  assinou o Decreto de número 5.465 concedendo COTAS para filhos de proprietários de terras ou não, filhos de criadores de gado ingressarem em Faculdades Federais de Agrimensura, Agropecuária, Veterinária...
As cotas poderiam chegar a 80% somando quem morava em cidades que tinham Faculdades Federais e quem morava distante!
Mas não me dei por satisfeito e busquei mais informações com amigos que estudaram na UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) nesse período entre 1968 (ano do Decreto) e 1985, ano da Revogação do mesmo...
Todos me disseram que com essa “Lei do Boi” os filhos de fazendeiros ricos poderiam estudar nessas Faculdades públicas e fazer o Curso que bem quisessem. Faziam uma prova de admissão “para inglês ver” e garantiam suas vagas tranquilamente!
Daí eu penso: “– Mas essa gente que prega a meritocracia (sucesso por merecimento) não é a mesma que pede a volta dos militares”?
Ora! Foi, exatamente, durante o Regime Militar que essa Lei do Boi durou!
A Lei que a revoga é a 7.423 de 17 de dezembro de 1985. Ou seja, acabou o Regime Militar, acabou a mamata!
Advinha quem é contra as cotas para negros?
O Bolsonaro outro dia disse que não é racista, apesar de ter dito ao vivo no CQC que filho dele era bem criado e não iria namorar uma negra, e é um dos que combatem veementemente as cotas para negros (Aliás, foi condenado, recentemente, a pagar 150 mil reais por crime de Racismo – se não tivesse imunidade parlamentar estaria preso)! Ele, agora, até menciona o sucesso de Barack Obama, Joaquim Barboza...
Num país de mais de 200 milhões de habitantes você se pautar em um só caso de sucesso (embora eu tenha que admitir que há pelo menos mais dois ou três) para justificar a falta de necessidade de cotas é realmente um pensamento maravilhoso para quem deseja ser presidente de um país que entre negros e mestiços tem no mínimo 80% da população (Viu? Estou sendo bonzinho e deixei por 80% da população, coisa de 160 milhões de brasileiros, só!)!

As COTAS da Lei do Boi eram para brancos. Filhos de ricos ou, no mínimo, proprietários de terras que possuíam mão de obra para “toca-las” sem a ajuda dos filhos porque pequenos proprietários não poderiam se dar o luxo de abrir mão da presença dos filhos na lida diária... Era cota para ricos!

Ronaldo Rhusso

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Sintonizados... (Quindetos)



I
Tu podes me sentir qual eu te sinto?
É só fechar os olhos devagar...
Sentir o sangue quente, puro e tinto,
correr por tuas veias; bombear
teu peito – coração – o meu recinto...

É fácil conseguir. Basta tentar!
Tu vais ficar feliz! Creias, não minto.
É algo bem melhor do que sonhar.
Deixar-se se entregar só por instinto...

Viver sem libertar o eu é nada!
É qual ficar desperta em madrugada
gastando a vida à toa e sem sentido!

Então me sinta qual te sinto agora!
A vida passa rápida lá fora!

Não te deixes viver sem teres sido...

II
Derrame a tua alma com firmeza!
Vivemos nesse mundo uma só vez.
É lei determinada com certeza
e tem as digitais de Quem a fez,
assim qual fez perfeita a natureza!

Então me sinta; sinta a minha tez
que sente a tua, a toca em singeleza...
Enxergo o teu sorrir com nitidez.
É qual fosse um Solzinho... Só beleza!

A tua Dimensão parece fria...
Vai ver porque de mim está vazia!
Permita-te seguir minha frequência...

Meu Chi é forte e posso dividir
contigo e meu amor em ti fluir
de fato, de verdade... Em permanência...

Ronaldo Rhusso







quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Mexendo Com Música...


Quando o país se livrou da Ditadura tratou de garantir na Constituição o Direito à Liberdade de Expressão de tal forma que foram descuidados em demasia!

Não colocaram limites porque o jargão era: “ – É proibido proibir”! (Chupa essa manga, agora!)
Então vimos a bela música do interior de Goiás e de Minas se popularizar e, infelizmente, tornar um lixo!
A música carioca foi infestada por um câncer chamado Funk que desvirtuou os padrões de moralidade e respeito!
Em São Paulo o RAP se tornou meio de criminalizar a polícia e tornar herói os bandidos.
Na Bahia vimos nascer um Grupo de “Samba Duro” chamado Gera Samba que se tornou “É o Tchan”, contaminou dezenas de grupos e acabou com a música da Bahia!
Em Sergipe, Recife, Natal… Surgiram supostas bandas de forró que degradaram tanto a Arte popularizada por Luiz Gonzaga que esse, se estivesse vivo, morreria novamente a cada apresentação dessas pseudobandas!

A música de uma Nação a influencia!
Ouvir porcaria faz pensar porcaria ou nem pensar!
Vivemos uma situação de Crise Cultural tal que constata-se que nunca mais nascerá um Mário Quintana, um  Drummond de Andrade, um Mário Palmério, um Fernando Sabino (isso para falar dos contemporâneos)…

Se repararem até a música das igrejas se tornaram um lixo babilonial!

A Década de 1990 pariu grupos como “Mamonas Assassinas” que graças a Deus só durou um LP.
Eu ouvi crianças cantando: “ – Comer tatu é bom! Que pena que dá dor nas costas”…

Vi no Programa da Xuxa um Grupo de meninas cantarem “ – Não quero homem de pau pequeno!” em 1995! Confira se tiver dúvidas:

O que se pode esperar dessa nação?

Se você está assustado por ver um bandido de alta periculosidade presidindo a Casa que faz as Leis do Brasil e um Judiciário de calças arreadas para ele saiba que você tem culpa!

Quem vai substituir Chico Buarque, Caetano Veloso, Dominguinhos, Raul Seixas (Sim! Raul Seixas!), Teixeirinha e tantos outros que ensinavam a pensar através de suas letras e canções que não faziam mal para a audição?

Ronaldo Rhusso

domingo, 22 de novembro de 2015

5 Degraus - Escala de Maslow


I
Difícil atingir, e lá ficar,
no ponto que desnuda o Universo
se não consigo, ao menos, saciar
vazio que me deixa, assim, disperso
com medo do futuro não chegar...

Pareço caminhar do lado inverso
e não consigo, mesmo, concentrar
o meu pensar (em lago seco imerso)
a fim de me nutrir, me libertar...

Então consigo aquilo que me falta!
Meu ser prova do pão, se sobressalta;
percebe que vivia qual um nada!

Que louco isso! Tudo faz sentido!
Porque eu era mesmo sem ter sido...

Até que tive a FOME saciada!


  


II
Agora mais um passo, um sacrifício!
Preciso apertar o botão certo
ou ver meu ser cair no precipício
que nunca chega ao fim; é qual deserto
no qual se anda em círculos... Difícil!

Esforço-me, preciso estar desperto!
Não posso permitir o desperdício
Do Dom da vida! Eu sei que sou esperto
e vou deixar jorrar pelo orifício...

É muito bom sentir o frenesi!
Nem quero lamentar o que perdi...
Passar desse degrau é qual voar!

Pareço à ave quando sai do ovo
Que sente um habitat distinto, novo!

E sinto a dor terrível me deixar...







III
Ainda não cheguei ao meu destino.
É pouco ser servil, ser “pau mandado”!
Ficar só nisso é puro desatino!
Mas como atravessar o rio gelado
se sou iniciante? Eu sou menino...

Parar agora é como ter nadado
e ver, no seco, frágil, pequenino,
o ser ceder, se ver despreparado,
pra ter da própria vida a rédea, o tino...

Contudo não cheguei aqui à toa!
Não sinto mais a fome e a alma voa!
Decido não ficar só no querer!

Eu sei ser perigoso esse degrau,
pois pode me mostrar como sou mau.

Chegou a vez de ter, também, poder!







IV
Eu digo vai e vejo ir. Que bom!
Mas erros podem, sim, ser cometidos
e posso ver um céu cinza e marrom!
Poder só pra poder põe os sentidos
em grande confusão, num outro tom...

Eu quero ter meus tentos atingidos,
mas quero ouvir melhor meu próprio som.
Dar um mergulho em meus desconhecidos
fatores que me formam; cada dom!

Nadar no fundo desse denso eu
Não é tarefa fácil! Acendeu
a luz do alarme que me diz: cuidado!

Respiro fundo e sigo, então, em frente,
Em busca de não ser inconsequente

Agora sei quem sou! Degrau deixado...







V
Só fortes poderão, nesse Caminho,
seguir em frente e sei que falta um tento
porque não dá pra ser feliz sozinho!
As ondas vão e vêm, mas há tormento
se não se tornam unas... Vil espinho!

Às lágrimas se somam meu lamento...
Por isso eu me sentia tão mesquinho!
O fardo desse mundo eu não aguento!
Preciso Dele! Eu sou pequenininho...

Eu sinto! O Seu abraço, sim, me ronda!
Estou nessa frequência! É Grande a Onda!
Não há palavras! Tudo é tão bonito!

Humanos sois demais alienados!
Há tantos Universos habitados!

Criar com Ele é muito! É infinito!

Ronaldo Rhusso



sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Todo o tempo...


A VERDADE SOBRE A TRAGÉDIA DE MARIANA QUE NÃO FOI ACIDENTE!


Infelizmente, o BRASIL ainda não sabe o que está acontecendo em Minas Gerais…
Inicio mencionando que o senhor Rodrigo Júdice secretário do estado de Espírito Santo havia acabado de perdoar uma dívida referente a Multa de mais de 200 mil em setembro. A SAMARCO está devastando o sul do Espírito Santos e grande parte de Minas.
Leia esse relato:
Os veículos de “desinformação” continuam omitindo fatos e números importantes para maquiar e amenizar a tragédia!
Sugiro que aqueles que tem amigos virtuais em outras cidades, estados e países, informem melhor e alertem o Brasil de que são centenas de milhares de pessoas afetadas pelo fato. Toda a economia dos municípios está comprometida. As escolas suspenderam as aulas, a agricultura está comprometida, porque não tem chuva, o comercio já quase parou, pois não tem água, nem para os banheiros; bares e restaurantes estão adotando material descartável para servirem, mas não existem panelas descartáveis e essas precisam ser lavadas. A construção civil também foi afetada; não há água para o banho das pessoas. Hospitais e asilos, presídios e serviços essenciais estão sendo abastecidos por caminhões pipa, que precisam ir a outros municípios para se abastecerem de água,  o que está onerando os cofres públicos com o alto consumo de combustível – isso quando conseguem passar pelas estradas bloqueadas pela manifestação de caminhoneiros.

O Rio Doce, um dos MAIORES DO BRASIL, está morto! As populações, desde Mariana-MG até Linhares-ES (e depois no Oceano Atlântico) estão sofrendo as consequências do que talvez seja  a maior tragédia ambiental, ecológica, econômica, hídrica, já ocorrida no pais. E as consequências serão sentidas por muitas décadas. Somente em Governador Valadares são 260 mil pessoas afetadas. Alguém já imaginou uma cidade de 260 mil pessoas totalmente sem água? E o pior: a água está correndo no Rio Doce, mas completamente envenenada por arsênio, mercúrio e outros metais.

Todos – eu disse todos – os peixes morreram envenenados e já se pode sentir o “cheiro” a quilômetros de distância!
Esse é o quadro que o BRASIL precisa saber. Divulguem para que outras tragédias possam ser evitadas. Talvez a próxima seja a dos lixões, ou das enormes pastagens que avançam derrubando as florestas, ou quem sabe, as imensas lavouras de soja? Informem, manifestem a indignação pacífica, sem revolta ou violência. Chega de violência contra  povo brasileiro, menos ganância, é o que precisamos.

Com quatro usinas de pelotização construídas em Ubu, na divisa de Anchieta com Guarapari, a Samarco polui todo o sul capixaba. Além da contaminação da água, destrói o ambiente da região com os poluentes que lança no ar. Prejudicados, os moradores de Guarapari a Marataízes, Anchieta, Piúma, Itapemirim, Alfredo Chaves e Iconha.

A Samarco é uma empresa assassina da Vale e da anglo-australiana BHP Billiton, com 50 % das ações, cada. Atualmente, é alvo de inquérito no Ministério Público Federal (MPF-ES) e foi condenada recentemente a indenizar um morador de Anchieta por danos ao seu patrimônio.

Ronaldo Rhusso


quinta-feira, 29 de outubro de 2015

2016 - o Dia, o Tema e o Poema! Ronaldo Rhusso



Levando adiante a ideia do poeta, músico, compositor, ator e escritor Mané do Café e da atriz, poeta e escritora Eliana Castela que criaram a FOLHINHA POÉTICA, Ronaldo Rhusso, homenageado para o ano de 2016 escreveu um compêndio contando mais de 400 poemas! A cada dia buscou dissertar poeticamente acerca de algum fato marcante da História Universal. Para tanto valeu-se do expediente de utilizar dezenas de Modalidades Poéticas diferentes, aproveitando para dar dicas acerca do Metro no Poema, Estrofação, Versificação, uso de Figuras de Linguagem e muito mais! Já havia realizado algo parecido com a escritora campinense Nilza Azzi, mas não levou o projeto adiante. Dessa vez lhes apresenta: 2016 o Dia, o Tema e o Poema...

Número de páginas: 443 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 75g


http://clubedeautores.com.br/book/196227--SAGRADO_CORACAO_DE_POETA#.VjI_5vmrTIUClique aqui para ler algumas páginas do livro:

Mexendo com Vampiros e Zumbis...



O Brasil é mesmo o país da carona! Quer tirar a dúvida? Abra um negócio qualquer que obtenha sucesso e em seis meses terá uns 10 concorrentes! Falta criatividade! Talvez  seja preguiça de pensar, não sei...

De cada 10 títulos publicados a metade ou mais trata do assunto vampiro, zumbi ou similares...
E o pior é que há público para essa enxurrada de banalidade!

Mas de vampiros os brasileiros entendem, pois colocam centenas deles em Brasília de quatro em quatro anos e, quais zumbis, ainda os defendem, enquanto sugam o sangue da nação, dos cofres públicos, da merenda escolar, das empresas públicas... Vampiros especializados em estupro financeiro!

E os zumbis estão ocupados demais vendo TV, jogando games de zumbis e vampiros fictícios, indo para os templos bater palmas para pastores vampiros!

Sugar sangue das pessoas deixou de ser coisa ruim! E ainda dizem que o mundo está evoluindo!

Na internet dá para ler milhares de depoimentos de jovens que gostariam de ser vampiros e têm em seus quartos pôsteres de filmes de péssima qualidade como a tal saga crepúsculo!

Não estudam, não buscam conhecimento acerca do que, realmente, está acontecendo com o mundo... São só zumbis que mais tarde terão a responsabilidade de cuidar dessa nação gigantesca e já dá para ter uma prévia do que farão com ela...

Onde estão os novos Mário Palmério e José Lins do Rego que escreviam acerca do Brasil? Acerca da realidade! Contavam a história da evolução da nação brasileira...

O Brasil está vampirizado por essa galera que não se enxerga nem se valoriza!

E o sangue escorre dos próprios bolsos de quem paga para as editoras caça níqueis só para ter exemplares que irão empoeirar nas prateleiras dos parentes, amigos e quem mais receber um exemplar de presente...

E antes que eu esqueça: Halloween é o cacete!


Ronaldo Rhusso

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Mexendo Com Professor Inesquecível…



Lembro bem o dia em que ele entrou na sala de aulas… Franzino, sorridente, um pouco tímido…
“ – Boa noite, turma! Sou o substituto do professor de OSPB e meu nome é Galdino. Ficaremos juntos até o final desse ano. Tudo bem com vocês”?

Era homossexual! Nos idos de 1982 era praticamente uma blasfêmia! A voz denunciou-o e a Turma ficou entreolhando-se com vontade de sorrir…
Não aguentamos! Demos boas gargalhadas e ele ficou ali, com o mesmo sorriso, mas olhando como que incrédulo para nós; como quem queria saber o motivo da graça para sorrir junto conosco…

Então fomos ficando sem graça e baixamos nossas cabeças ante a dignidade daquele jovem mestre!

A partir da terceira aula dele ninguém faltava e todos aguardavam ansiosos para beber de sua sabedoria!

O cara era demais! Falava acerca da Organização Política e Social do Brasil com uma maestria formidável! Ele dava exemplos, gesticulava com paixão, mas nunca alterou a sonoridade da voz! E nós ficávamos em silêncio ouvindo aquele homem passar para nós tanta riqueza! Tanto conhecimento…

O Galdino era o cara! Ele nos estimulava a pensar! Em suas provas, com exceção do conteúdo obrigatório, ele fazia questão de nossas opiniões!
A aula acabava e a gente saía atrás dele perguntando, tentando obter mais do seu farto conhecimento…
Muitas vezes o seguíamos até as portas das outras salas de aulas ou até a sala dos professores!
Ele atendia todo mundo com muito carinho, respeito e amizade!
Pena que foram só nos dois primeiros anos do Ensino Médio…
Galdino apareceu na minha vida quando eu tinha 13 anos e eu nunca mais o esqueci!
Em 2010, 28 anos depois, fui dar uma palestra numa Escola e lá estava o Galdino juntamente com outros professores, com as suas Turmas, para ouvir o que eu tinha para dizer…

É claro que ele não lembrava de mim, mas eu aproveitei a oportunidade para homenageá-lo. Contei como nós o havíamos recebido por causa da sua opção ou orientação sexual e como nos arrependemos depois!
Contei como ele foi importante para que eu me situasse como ser humano e pudesse estar ali como convidado para palestrar para aquelas centenas de meninos e meninas…
Percebi que ele ainda sofria com o preconceito, mas, dias depois, encontrei-o na rua e ele me agradeceu! Disse que após o dia em que estive na escola seus alunos e os outros alunos da escola mudaram de comportamento para com ele…
Galdino é uma espécie de herói para mim!
Não é que os outros professores não o sejam, mas o Galdino, como eu já disse, foi o Cara!
Vida longa aos professores, esses Missionários da Educação!
Vida longa ao Galdino!

Ronaldo Rhusso

http://www.arcaliteraria.com.br/mexendo-com-professor-inesquecivel/

domingo, 20 de setembro de 2015

ESCRITOR DIEGO SANT'ANNA NO MAIOR FESTIVAL LITERÁRIO DO MUNDO


Representante brasileiro no maior Festival Literário do Mundo, Festival Internacional do Livro de Edimburgo/Escócia 2015, conta sua experiência:


18/08 - Fórum Poesia Moderna

Apresentado na tenda 1 (O dinamismo da palavra falada no fornecimento de uma perspectiva incomum sobre a vida),

O foco principal da discussão foi a importância da poesia para a formação do indivíduo. Como podemos fomentar e estimular a visão poética no dia a dia.
Diante as funções: denotativa e cognitiva, com objetivo de transmitir informações e de permitir a troca social. A poesia vista como forma de expressão lúdica capaz de exteriorizar a essência do ser humano.

Também foi apontada neste fórum a função emocional da poesia, o universo íntimo em função de libertação e interação. Em tempos de escassez de sentimentos humanitários, vemos um movimento crescente de poetas com influência romântica, muitas vezes deixado de lado pela apelação moderna da sexualidade e erotismo demasiado.

Este fórum contou com representantes de vários países como: Índia, França, Inglaterra, Escócia, Austrália e Brasil. Levando a uma visão ampla referente ao resgate da poesia no mundo. Todos os autores falaram sobre a evasão literária em seus respectivos países e apresentaram suas ideias a fim de mudar este cenário.
Segundo o representando brasileiro o escritor Diego Sant’Anna


“Poesia não é apenas um jogo de rimas, formas concretas, verso harmônico. A poesia contextualiza a realidade, representando significados que vão além do comum em seus aspectos diversificados. È o encontro com o íntimo, valores e conceitos universais, ultrapassando o limite entre a fantasia e a realidade. O poeta apresenta de forma primordial suas angústias e felicidades, valorizando-os, buscando a essência dos momentos. A poesia nunca abandona o poeta, pois os olhos do poeta refletem o mundo interior, os ideais e os sonhos. A poesia é a voz da alma, a manifestação do que há de mais verdadeiro no ser humano.”



22/08 - Fórum Espaços de Alfabetização 

Apresentado na tenda 3 (O que o futuro reserva para as nossas bibliotecas?)

A importância da biblioteca no processo de alfabetização foi o assunto mais comentando neste fórum. Como preservar o ato de ler um livro em uma época em que tudo é digital.

A preocupação em manter a cultura de ir a uma biblioteca é evidente enquanto as bibliotecas continuarem vazias e as lanhouses cheias, A biblioteca vista não só como ponto de encontro de conhecimento, mas como possibilidade de interação com outros leitores gerando a troca de conhecimento e experiências.

A criança é o ponto alvo desta discussão, foram apresentadas ideias e projetos de incentivo a leitura de livros, revistas, jornais, almanaques, gibis, entre outros. A fim de que no futuro estas crianças também sejam incentivadoras e multiplicadoras da literatura.

Nosso representante contou sua experiência em trabalhar em uma biblioteca pública e disse também:

“A educação é o maior bem que possuímos, sendo assim, deve ser prioridade nos planos governamentais de todas as nações. É através da leitura que adquirimos o conhecimento necessário para a prática da aprendizagem, resultando em uma melhor qualidade de vida. Se quisermos um mundo melhor nesta e nas próximas gerações, devemos fomentar a reflexibilidade na sociedade, o incentivo ao pensamento crítico.”


27/08 - Fórum Falando em Tradução

Apresentado na tenda 6 (Comemorando a Tradução em todas as suas formas)

Em um mundo globalizado, as relações internacionais são cada vez mais frequentes, em consequência houve uma expansão linguística através da comunicação. A busca pelo conhecimento, o ato de explorar novas culturas e interagir de uma forma participativa. Este cenário exige aptidão na língua universal que hoje é o inglês.

A tradução é uma forma de quebrar esta barreira entre os povos, possibilitando a compreensão da mensagem e a emancipação do individuo.  
A tradução de livros possibilita que o leitor conheça as tradições, contos e lendas de outros países, atingindo um nível cultural diversificado, podendo contextualizar com a sua realidade e assim refletir e repensar seus conceitos.

Para o autor a tradução da sua obra é muito importante visando o alcance ilimitado da sua publicação, mas há também certa preocupação pela extração correta da mensagem para que não perca o sentido daquilo que o autor deseja passar.

O representante brasileiro, escritor Diego Sant’Anna, contou como foi a composição da sua obra escrita em Português, Inglês e Latim, e disse também:

“A comunicação entre diferentes culturas é possível através da tradução, para que esta tradução seja legítima é fundamental que o tradutor não se limite apenas as regras gramaticais e ortográficas, mas que conheça os valores, conceitos, fatos históricos e políticos daquela cultura. A literatura contemporânea necessita ser analisada através de olhares atentos a fim de alcançar trabalhos de melhor qualidade e mais conscientes para que assim, essas obras possam obter o reconhecimento, as análises e as traduções que elas merecem.”

Fonte: https://www.edbookfest.co.uk/

Artigo: Henz, Manfred

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Cinzas frias...


Não deu mais tempo e tive que sair...
Não era a hora e agora eu sei. Está certo!
O teu oásis árido eu renego;
a minha sede, sim, devora o átimo
do teu vulcão que, fátuo, morre assim...

São dois caminhos, dois sinais do tempo!
São dois destinos e eu pra escolher...

Um ressuscita e o outro sai de perto!
Um se contenta e o outro quer fruir...
Um não percebe e o outro, eu sei, é cego;
se deixa ir, não quer morrer em paz...

São dois caminhos, dois pontos difíceis!
São dois dilemas... Tenho que escolher...

Brinquei com fogo e o jogo está parado...
Talvez teu lado tenha outra versão!
Vai ver teu fogo esteja adormecido
ou escondido e eu nem quero achar
Sou Prometeu ególatra, ruim...


Dois Universos cheios de armadilhas
não vão ficar privados de querer.
Dois exultantes lados, nada errados...
Só enfadados, querem eclodir...
São mesmo dois caminhos
e sei qual vou seguir..


São dois caminhos, mas não vai dar tempo...
Foi meu pensar na hora em que saí...

Ronaldo Rhusso






terça-feira, 1 de setembro de 2015

Manu ou Mané?






Manu, Mané não vale o seu sorriso.
Esse Mané, Manu recebe “arrego”
pra do Brasil poder tirar sossego.
É só um sem vergonha vil, sem siso...

Manu esse Mané eu já diviso
colhendo os frutos podres de um pelego1
que baba os bagos, botas e até o rego
dos norte americanos... É impreciso...

Manu, menina Deus sempre lhe guarde
da fúria de imbecis filhos da mídia
que enche a mente deles de desídia...

Manu não ligue para esse alarde!
Veremos a justiça cedo ou tarde
humana ou divina. Linda, aguarde!

Ronaldo Rhusso



O termo pelego foi popularizado durante a era Vargas, nos anos 1930. Imitando a Carta Del Lavoro, do fascista italiano Mussolini, Getúlio decretou a Lei de Sindicalização em 1931, submetendo os estatutos dos sindicatos ao Ministério do Trabalho. Pelego era o líder sindical de confiança do governo que garantia o atrelamento da entidade ao Estado. Décadas depois, o termo voltou à tona com a ditadura militar. "Pelego" passou a ser o dirigente sindical indicado pelos militares, sendo o representante máximo do chamado "sindicalismo marrom". A palavra que antigamente designava a pele ou o pano que amaciava o contato entre o cavaleiro e a sela virou sinônimo de traidor dos trabalhadores e aliado do governo e dos patrões.