sábado, 31 de março de 2012

On and on





Sem cessar..


Pela manhã inicio as laudes, ainda soturno...
É meu diurno compromisso com o Eterno.
Há um inverno em meu coração!
Há um sermão em minha mente...
Sou monge carente da força de D'us...

Às doze e às quinze, as médias me reanimam.
Dizimam de mim essa dor que me angustia.
Quase final do dia e eu ainda penso em meus pecados...

As vésperas me são propícias! Sinto as delícias da Comunhão!
Sinto melhor o chão, e, de joelhos, me quedo confiante.
Sou vero amante e meu sustento é a oração.

Faço as completas nas horas cheias de fé, de carência do afago do Mestre...
Faço de cipreste minha arca qual relicário...
Sou legionário e vivo pelo Amor que me sustenta!
Orienta-me... Então, feito monge menino,
Oro esse ofício divino.

Ronaldo Rhusso





Pausa...


Acordei com esse gosto de mistério
que tens em tua pele.
Levantei tendo, ainda, na mente a prece oferecida...
Dediquei-me ao trabalho com dó dos que fazem por obrigação.
Dei essa pausa pra brincar com minhas amigas, as palavras...

Ronaldo Rhusso





Monólogo

Solilóquio matutino inesperado...
Retardado é o momento que antecede
a fagulha do tormento que ascede.

Sei falar desse tão morno e exagerado
real bardo do transir tipo petardo.
A dormência, que bem sei, nunca se mede,

se esparrama como um grito e eu não suporto
aduzir, então evito e me transporto...

Ronaldo Rhusso

sexta-feira, 30 de março de 2012





Verdades...

Eu só queria 
que esse silêncio 
me entendesse.

Eu gravaria
em base estêncil
pra alguém que lesse:

Sou ente puro!

Não crês, mas juro!


Ronaldo Rhusso

quinta-feira, 29 de março de 2012




SÓ NÃO MORRERÁ O AMOR!

Vera noite vi em sonho
Turbilhões com suas vagas;
Quase alcançavam o céu!
As palavras me vieram tão latentes na visão!
Ouve um choque de egos toscos
Provocando mil fagulhas
E a chama que nasceu lambeu totalmente o ódio!
Vi queimar indacas podres;
Vi tostar diversos corpos;
Almas sujas de quem eram o horizonte desse mal!
Quando o fogo apagou o que restou nem era cinza.
Era o vasto e temerário arremedo do meu ser.
Ah! Morte...
Se eu pudesse enganá-la, talvez me matasse o “eu”...
Talvez me purificasse dos desmandos que eu provei.
Ah! Morte...
Não espere aí parada. Nosso encontro se perdeu.
Se marcarem novo embate cubra a face e cumpra a Lei.
Chamem anjos, homens raios!
Chamem férteis Madalenas!
Clamem aos plenos pulmões que o inferno já perdeu!
Beba a largos sorvos gélidos dessa Fonte que é tão Deus!
Quer provar do infinito? Encha a boca de ardor!
Se quiser ver o segredo, saiba, só não morre o amor!
Vi tão forte e limpo aço e um reflexo a me olhar:
“Não sabia que existia”!
Disse o espelho a mim mesmo.
Meu reflexo era opaco e meu ser um verbo anômalo.
Despertei dessa visão como quem engana a morte.
“Não sabia que existia”!
Ecoou mais uma vez.
Eis que a face do Cordeiro se me veio à lembrança!
Eu chorei desconsolado.
“Ora vem”! Gritei co’a alma!
Eis que um raio iluminou meu Caminho e a esperança!
Novamente me peguei nesse êxtase tão lindo!
Apalpei a minha mente e vi que, essa, era só vida!
Entreguei meu tabernáculo a Quem era por direito!
Eis que o fogo renasceu e eu o vi sair de mim.
Espalhou-se como um raio e logo iluminou o mundo.
“Não sabia que existia”!
Não Se afaste mais de mim!
Sei que em Sua companhia se me afastará o fim!
 Entendi esse segredo e repeti para mim mesmo:
"Quando tudo terminar só não morrerá o amor"!


Ronaldo Rhusso

quarta-feira, 28 de março de 2012

Reloaded by the joy in this moment!




Acredite!

A liberdade é algo fascinante!
Sentir-se sem algemas é tão bom!
A liberdade traz de volta o tom
E já não mais me ouço dissonante...

Se digo: “eu Lhe amo” não se espante,
Pois é da liberdade que ouve o som.
O mesmo que dissipa céu marrom
E o torna sempre azul e cintilante!

Eu trago no meu peito alguma dor,
Mas minha liberdade a supera
Porque a Quem eu busco não espera.

Concede nova chance para o ardor
Que trago dentro em mim junto ao amor
E logo esse meu ser se recupera!

Ronaldo Rhusso




Glória ao Santo!

Oh! D’us, o teu cuidado é tão intenso!
Se choro nesse instante é de alegria
E emoção por tua companhia...
És tão maior do que às vezes penso...

O meu amor por ti não é imenso
Porque nenhum verbete caberia
Pra definir com toda a maestria
O tanto que o que sinto é tão extenso!

Menor que anjos Tu fizeste a mim,
Mas eu posso voar sob as Tuas asas
Que me protegem tanto, ó D’us, arrasas!

Esse Soneto não teria fim
Se eu pudesse captar o quanto, enfim,
Antes de eu nascer Tu já me amavas...

Ronaldo Rhusso


Atlanta - Georgia - Acróstico




I Promisse.

Aqui eu deixo meu pensar, meu ser
Tentando não viver sem refletir.
Lidando co’a vontade de partir
Atrás do Shangrilá; grande querer...

Navego em letras sóbrias, podes ver
Todas as vezes quando vens fruir
As minhas criações pra compartir
Gentil assaz com quem ama viver.

Eu não sou nada além de trovador
Ornando a tela tua em versos pobres
Rimando amor e dor, esses, sim, nobres...

Garanto não cessar de vir co’ardor
Instar co’a Poesia e sem pudor
A fim de que em tristeza não soçobres...

Ronaldo Rhusso



Sei que tu vens aqui e é muito bom!
É tão interessante descobrir
Que textos meus em ti podem imprimir
Deleite: Linda forma e lindo tom...
Mas diz o que tu sentes quando lê
Meus devaneios, algo tão comum?
Vai ver dos tais poetas sou mais um
Que traz raio do Sol para quem crê
Que verso assaz gentil perfuma o dia!
Teu visitar me faz cuidar que a Lua
É quem empresta ao Sol beleza sua...

Ronaldo Rhusso

domingo, 25 de março de 2012





Antigos fatos...

O tempo luta vil e em covardia... Talvez a inveja seja o que lhe mova, mas bravamente a força da estrutura desvela histórias de plebeus e nobres...
Quem nunca ouviu falar daquele escravo que construiu fiel e resoluto a fortaleza que em paredes fortes abrigaria a linda senhorinha com quem ele brincara em anos áureos, mas que cresceu e foi pra capital?
Voltando, anos depois, mulher casada com um doutor de frágil complexão, o qual deixou viúva muito cedo a, outrora, menina brincalhona...
O negro, ao seu mandado, decidiu fazer co’a experiência adquirida em lida que, contínua, o preparou pra soerguer palácios, se preciso, um casarão pra dona de sua vida...
E com ajuda de uns comandados ergueu o casarão em meio à praça, de frente pra Matriz, onde a senhora, em negro traje, entrava pra elevar a prece que apelava à indulgência, pois em surdina cobrava serviço ao forte escravo, servo obediente!
Os gritos abafados lá na alcova denunciavam outra brincadeira na qual o pobre escravo era o senhor da alvura de uma pele pura e “santa”!
Antigos casarões escondem fatos em suas estruturas que o tempo se esforça pra delir com a história...

sábado, 24 de março de 2012









O PRÍNCIPE E A PLEBEIA



O livro dos Cantares de Salomão é a história de amor entre um príncipe e uma plebéia, que nos mostra, de alguma maneira, a história de amor entre Jesus, o príncipe dos príncipes, e a pobre raça humana, que somos nós. 
Salomão era um jovem que passava horas e horas meditando a sós, caminhando pelos campos e os montes. Foi numa dessas ocasiões que ele viu correr pelos montes uma garota linda. A sua pele era bem morena e os seus cabelos crespos. Infelizmente a opinião que esta garota tinha de si mesma estava deformada pelo racismo que já existia naquele tempo.

Freqüentemente dizemos que não somos racistas, geralmente somos contra o racismo. Somos capazes de pronunciar os mais belos discursos contra o racismo, até que um filho nosso queira se casar com alguém que não é da nossa raça. Aí, nossos discursos acabam. É o hipócrita, subterrâneo, silencioso e pernicioso racismo que toma conta da natureza humana. É uma realidade. Está presente. Sempre esteve presente; já nos tempos de Salomão era assim.

E a garota de nossa história, a Sulamita, camponesa, de pais humildes, nascida com uma cor bonita, sentia-se de alguma forma inferior, por causa da pressão social. 

Por que digo isso? Vejam como ela se descreve no capítulo 1, verso 5: "Eu estou morena, porém formosa..." (Cantares 1:5)

Por que "porém"? Por que não: eu sou morena e ponto. Por que ela tem que dar explicações? Ser morena em si, não bastava? Não era um privilégio? Não era motivo para estar feliz? 

Aparentemente não, porque a estrutura social em que vivia tinha bombardeado tanto sua mente que de repente, por ser mulata, sentia-se constrangida; por ser escura, sentia-se mal. Então tinha que esclarecer: Eu sou morena, porém formosa. Olhem como ela continua se descrevendo, no verso 6: "Não olheis para o eu estar morena, porque o sol me queimou..." (Cantares 1:6)

Eu não tenho culpa de ser morena, o sol me deixou assim. Mentira! Ninguém fica mulato porque o sol o queimou. Mas aquela garota tinha que inventar alguma desculpa porque a sociedade a fazia sentir-se culpada por ser como era. 

Hoje, quero apresentar uma mensagem de libertação. Libertação de complexos, de traumas. Por favor, nunca permita que as outras pessoas o façam sentir-se inferior. 

Vejam como ela continua seu relato. Acompanhe-me na leitura do verso 6: "...Os filhos de minha mãe se indignaram contra mim, e me puseram por guarda de vinhas..." (Cantares 1:6)

Ah queridos, já desde aqueles tempos pensava-se que as pessoas de uma determinada raça só serviriam para cuidar de vinhas; não para ir à faculdade e estudar e ser um profissional. Isso é o fruto do preconceito que tem arruinado vidas! 

Olhe para o céu, olhe para a vida, sem medo, sem temor. Deus tem ideais elevados para você, valores infinitos. Nunca aceite que outras pessoas digam que você não pode crescer, prosperar, estudar, ser um profissional, um líder ou até o presidente deste país.

Mas os complexos, frutos da pressão social, tinham feito com que a beleza desta garota morena e linda começasse a murchar. Ela começou a sentir-se feia porque passou a ficar prisioneira dos preconceitos, dos complexos e dos traumas que ela mesma começou a criar em sua cabeça. A timidez começou a tomar conta de sua vida. Tinha vergonha de olhar as pessoas nos olhos, vergonha de participar de uma reunião social. E começou a esconder-se nas montanhas, nas fendas das rochas, andar solitária por aqueles vales e colinas, sozinha, ruminando seus complexos, sua auto-imagem negativa. 

Por que digo isto? Porque quando Salomão a descobre, vejam como ele a chama: "Pomba minha, que andas pelas fendas dos penhascos, no esconderijo das rochas..." (Cantares 2:14)

No capítulo 4, verso 8, ele diz: "Vem comigo do Líbano, noiva minha, vem comigo do Líbano; olha do cume de Amana, do cume de Senir e de Hermom, dos covis dos leões, dos montes dos leopardos." (Cantares 4:8 ).

Pobre garota! Linda, linda, bonita! Mas de repente começava a ficar feia por dentro. Começava a pensar que não valia, que não prestava, que nunca ninguém olharia para ela, que seu destino era viver em covas de leões e leopardos e esconder-se nas fendas das rochas, até que um dia, nessas caminhadas matinais de meditação, o príncipe do palácio, aquele jovem que estava se preparando para ser rei, nas suas horas de meditação, clamando a Deus por uma companheira ideal para a vida, a encontra entre as rochas, vítima dos preconceitos, traumas e complexos.

E vejam como o príncipe se descreve a si mesmo no capítulo 2, a partir do verso 1: "Eu sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales." (Cantares 2:1)

Aqui você vê um homem dono da situação e uma garota prisioneira de seus complexos. Um rapaz consciente de seu valor: "Eu sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales." Ele era o que era. Ele não estava arruinado por complexos. 

E agora vejam como ele a descreve no verso 2: "Qual o lírio entre os espinhos, tal é a minha amada entre as donzelas." (Cantares 2:2)

Ele diz: Minha amada é linda, é bonita, é um lírio, mas é um lírio que os espinhos estão encobrindo; é um lírio que não desabrocha porque os espinhos não permitem; os espinhos dos complexos, os espinhos dos preconceitos, os espinhos de tanta coisa; você não presta, não vale, nunca chegará lá. Você não passa disto, não passa daquilo. As piadas, os comentários, as brincadeiras, enfim, tudo isso foi marcando tanto sua vida que agora ela se sentia como um lírio que se apagava. Os espinhos desta vida iam acabando com aquela beleza com que Deus a tinha criado. Mas agora o príncipe aparece para resgatá-la. E quando alguém começa a destacar seu valor, você passa a acreditar. 

O príncipe deixa seu palácio e vai às fendas das montanhas e às rochas e às covas dos bichos selvagens para libertar aquela garota prisioneira dos espinhos dos seus preconceitos. E vejam como o príncipe a enxerga, como ele a vê, como ele a descreve. No capítulo 4: "Como és formosa, amada minha, como és formosa! Os teus olhos são como os das pombas, e brilham através do teu véu..." (Cantares 4:1)

Tira esse véu. Você tem tanta coisa bonita pra mostrar por trás destes olhos! Por que você esconde seus olhos? Por que não são azuis? Por que não são verdes? Tire o véu dos seus olhos, deixe-me ver a sua beleza. 

Continuando no verso 1: "Os teus cabelos são como o rebanho de cabras que descem ondeantes do monte de Gileade." (Cantares 4:1)

Que coisa maravilhosa! Enquanto ela fica diante do espelho se perguntando: "O que eu faço com este cabelo crespo? Por que nasci assim?" O príncipe diz: Os teus cabelos são como um monte de cabras descendo pela ladeira. Cabras, todas amontoadinhas. Bonito! Você não tem que ter vergonha do que você é. Você não tem que se sentir mal.

Por que permitimos que a televisão, as revistas, os jornais, os "out-doors" comecem a criar em nossa mente a idéia de que: Se eu não sou deste tipo ou daquele, não sou bonito? O príncipe dos príncipes nos enxerga de outra forma.

O príncipe encontra esta garota e a liberta, a valoriza, a ama, a tira da cova dos leões e a faz sua esposa, levando-a ao palácio como primeira dama do reino. 

Agora pense: como uma camponesa que vivia se escondendo nos montes podia dirigir o cerimonial de um jantar de etiqueta quando o rei convidasse os reis de outras nações? 

Seguramente, quando Salomão lhe declarou seu amor, ela disse: Não Salomão, você é um príncipe, tem tantas princesas para escolher. Eu não sou ninguém. Mas Salomão respondeu: Você vale muito. Eu vou amá-la sempre, vou estar ao seu lado sempre. Você vai crescer, vai se desenvolver, até ser uma rainha. E levou-a para o palácio.

Agora, imaginem vocês, o pessoal do palácio. Imaginem vocês as candidatas de Salomão olhando para aquela camponesa. Mas Salomão ficou ao lado dela, amando-a. Quando participavam daqueles banquetes suntuosos, eu imagino Salomão dizendo: "Olhe para mim e faça do jeito que eu fizer. Quando sentir que está falhando, ou que não vai conseguir, é só olhar para mim e vai ver amor em meus olhos. Vai ver que eu não amo você porque é uma grande anfitriã. Eu a amo pelo que você é. E vejo dentro de você valores que o mundo não vê."

E queridos, lá no palácio, quando ela tinha que viver a altura da conduta de uma rainha, o que a sustentava era o amor do esposo. Quantas vezes esteve a ponto de largar tudo e dizer: "Não consigo, vou voltar para minha vida passada." Mas quando contemplava o olhar de amor, de compreensão e de aceitação do rei, criava coragem e continuava a vida. E um dia, ela se tornou uma grande rainha, respeitada e amada pelo seu povo. 

Agora você compreende o que ela quer dizer no capítulo 2, verso 4? "Leva-me à sala do banquete, e o seu estandarte sobre mim é o amor." (Cantares 2:4)

Amigo, um dia Jesus, o Rei dos reis, deixou tudo lá; deixou Seu palácio e veio a este mundo para nos buscar. Vivíamos escondidos nas fendas das rochas desta vida; vivíamos escondidos talvez no mundo das drogas, do cigarro, do álcool, da promiscuidade e o diabo, que nos levara para lá, era o mesmo que vinha e nos atormentava dizendo: Você não presta, você não tem direito à salvação; você está perdido, acabado, não há mais solução para você, não há mais esperança.

E quem sabe eu esteja falando neste momento para alguém que já errou tanto, que já prometeu tanto e nunca conseguiu, para alguém que está assistindo ao programa com a esperança de que Deus opere um milagre em sua vida; talvez você já tentou várias vezes e nunca conseguiu. E a voz do inimigo está falando em seu ouvido: Não adianta, você nunca conseguirá. Não adianta ficar na igreja; é melhor você largar tudo; você nunca viverá como um rei; nunca será um príncipe; nasceu para viver na sarjeta; para viver lá onde você merece viver. Mas o príncipe Jesus olha para você com amor e diz: Filho, você é a coisa mais linda que eu tenho nesta vida. Você é um lírio abafado pelos espinhos dos vícios, dos preconceitos, dos traumas, do pecado, da promiscuidade. Mas você nunca deixou de ser um lírio. E eu vim para resgatar você. 

Às vezes podemos olhar pra Ele e dizer: Senhor, como pode me amar? Olha para a minha vida, estou todo arruinado. Como pode me amar? Eu sou um hipócrita. Estou na igreja. Meus pais acham que sou bom; a igreja acha que sou bom; tenho até um cargo na igreja, mas olha para a minha vida, sou uma droga! Está tudo errado na minha vida. Como pode me amar? E Jesus olha para você e diz: Filho, quando você está pensando que não tem mais forças e está querendo abandonar tudo, olhe para mim. Eu o amo assim como você é. Eu vim para ajudá-lo a tornar-se um príncipe; e você vai chegar lá. Não pela sua força, mas pelo meu amor. Olhe para mim e não se esqueça que eu o amo. 

Abra seu coração e deixe Jesus entrar em sua vida.

ORAÇÃO

Pai querido, como podes nos amar tanto? Não sei, nunca O entenderemos, mas muito obrigado porque prometes fazer de nós príncipes no Teu Reino. Em nome de Jesus, amém. 

sexta-feira, 23 de março de 2012

Um Quindeto...



Afoito

Estou feliz e sei o que ocorreu:
o teu carinho é algo assim gostoso.
e eu fico mole a cada toque teu...
Oh! Amor meu, me deixas tão gozoso
e eu quero mais: meu ser a ti se deu!

Teu doce olor me faz qual venturoso;
a quem a sorte, enfim, apareceu!
Já foi-se o breu e sinto-me animoso.
Eu sei que D'us, a ti, qual dom me deu.

Essa tua boca é quente e o gosto é bom!
Ela percorre a tez que treme e o tom
que imprime em mim é algo tão febril!

Num latejar por tua flor formosa
o meu amigo íntimo e tão prosa,

almeja, então, colher pólen gentil!

Ronaldo Rhusso

quarta-feira, 21 de março de 2012

Elegia...





I

A dor que me devora a alma, tudo...
É nada se comparo à estultícia
Do dar-se a emergir na imperícia
Que só o relembrar me deixa mudo...

*******************************

Esforço-me a buscar por um escudo...
Fingir que o pesadelo é uma delícia,
Mas minha mente não tem a malícia
E em versos tristes logo me desnudo...

Oh! D´us por que não cresço e me controlo?
Por que me deixo agir como um vil tolo?
É certo que agi mal e com dolo!

O Mal é lama e, nele, a alma atolo.
Se vem qual precipício dele rolo
E nem o arrepender me traz consolo...

II

Navego em mar bravio e, sei, sem rumo.
Sou nau sem cais por livre e própria escolha
E sinto-me quedar-me como folha
Sem vida e a mim mesmo, podre, estrumo.

Preciso vigiar ou me acostumo
A não poupar, sequer, última bolha
De ar e obrigar que meu ser colha
A morte, em vida inútil e sem prumo.

Espero que a metade que há em mim
Suporte ainda mais esse meu erro
Que a arrasta rudemente ao vil desterro!

Decerto isso é mau e intento o fim
Pra esse existir que é sim ruim,
E que carece urgente de um enterro.

III

Deixei-te, ó cidade que me amou!
Mas vou voltar porque D´us é fiel
E quando quer salvar delega ao céu
Dizendo: “Raios, Meu filho clamou”!

Então Raios alados dos quais sou
Leal cooperador me trazem mel
Delindo esse sabor de amargo fel
Que em meu palato véu se alojou.

É tudo uma questão de certa espera
Porque fui eu, de fato, que escolhi
A prova amarga que me assola aqui.

A gente quebra e D´us, sim, recupera
E logo que vencida essa fera
Retorno rindo, linda, para ti.


domingo, 11 de março de 2012




Eu amo virar sapo!

As perguntas se vão rapidamente
E retorno a viver sem a cobrança
Aviltando o espaço que na mente
É devido a outro tipo de lembrança.

Oh! Ser sapo liberta totalmente
E alimenta, deveras, a esperança
Anelada por mim de, num repente,
Ocupar-me com coisas de criança...

É que o Reino de D’us, eis, lhe pertence
E é tão lindo entender co’a mente dela!
Acredito ser tal qual aquarela!

Eu elevo uma prece Ao que convence
Esse mundo de que, de fato, vence
O sentir sem querer tocar na tela.

Ronaldo Rhusso

sexta-feira, 9 de março de 2012

O Armagedom e 21 de dezembro de 2012...





O Armagedom e 21 de dezembro de 2012...

Título de filme, livro, sermões, discursos...
Quem crê no Armagedom?

Por que há tantos que acreditam, de fato, numa guerra de proporções mundiais?
Talvez a melhor pergunta seja: Por que essas pessoas acreditam que, um dia, o mundo todo se reunirá num determinado lugar com forças divididas e lutarão numa guerra que porá termo ao planeta Terra?

O Armagedom Maia já arrecadou bilhões e há milhões de seres humanos aguardando o que ocorrerá no dia 21 de dezembro de 2012!

Começará, realmente, uma Nova Era?

O Livro onde, em uma única vez, aparece o termo Armagedom (Monte de Megido) é um dos mais incompreendidos, justamente pelos bilhões que dizem crer nele!
 Eis o maior de todos os contrassensos, pois os cristãos alegam crer absolutamente na Bíblia, contudo a maioria esmagadora confessa não compreender a maior parte dos textos escritos nesse compêndio de livros!

Como crer naquilo que não se entende?
Não é à toa que até dez anos atrás o número de “sub religiões” cristãs ultrapassava a casa de cinco mil e hoje esse número mais que triplicou!

Armagedom do grego arcaico ρμαγεδών ou Monte de Megido.

Tal Monte nunca existiu! Havia uma planície entre o Monte Carmelo, o Monte Tabor e o Monte Gilboa, na região da Galiléia, próximo à Samaria com esse nome, ou melhor, Campo de Megido, onde batalhas memoráveis, entre o povo de Israel e outros povos, foram travadas. Era um ponto estratégico e propício para tais embates!

Devido à pequena extensão dessa área, certamente, não se daria ali uma batalha de proporções mundiais!

Se a tal batalha se dará pelo predomínio de um determinado reino é de se imaginar que o planeta não seria destruído, pois do contrário não sobraria nada em que reinar!
Por outro lado, uma guerra atômica não daria conta de destruir o planeta, visto que os habitantes morreriam antes e não haveria tempo hábil para abalar seriamente a estrutura da Terra, que sairia apenas com alguns arranhões a mais!

Durante o reinado de certo rei cujo nome era Acabe, casado com a, mais popular que ele, Jezabel, havia um profeta chamado Elias! Intrépido e que abominava a injustiça, a idolatria e qualquer espécie de mal!
Em um determinado dia desafiou os profetas de Baal, protegidos da rainha Jezabel, cujo pai chamava-se Etbaal (“estou com Baal”).
 O povo de Israel, como dizia o próprio Elias “coxeava” entre a adoração ao D'us vivo que criou o céu, a Terra, a fonte das águas e tudo o que neles há, e a deuses de pedra como Baal a quem era atribuída a fertilidade da natureza, contrapondo-se, assim, ao D'us que havia libertado os israelitas da escravidão no Egito.
O interessante nessa história é que o desafio ocorreu justamente no Monte Carmelo, o mais próximo ao Campo de Megido, e foi, exatamente no Campo de Megido, onde se concentrou o maior número de espectadores dessa “batalha de natureza espiritual”, na qual não haveria uso de outra arma que não fosse a oração!
De um lado Elias, tão citado por Paulo Coelho, oraria a seu D'us e do outro 450 profetas de Baal, além dos 400 profetas de Asera, conhecida tanto como mulher de Baal quanto como mãe do mesmo e era chamada de deusa da fertilidade (a mulher que inspirou as imagens gregas de Diana, Arthemis, a estátua da liberdade, a face em algumas cédulas do dinheiro brasileiro...)!
Enfim a batalha estava preparada! Dois altares com pedaços de vítimas animais a serem queimados apenas pelo poder sobrenatural de um dos deuses!
A proposta de Elias era que o D'us que respondesse as orações de um dos lados com fogo que consumisse o sacrifício seria o verdadeiro D'us, digno de ser “adorado pelo povo de Israel”!
A proposta de Elias envolvia a obediência ao D'us vencedor! Envolvia servir a apenas um lado! A Batalha estava na mente do povo! A que seria travada entre os profetas antagonistas era apenas a personificação da Batalha que havia na mente dos infiéis israelitas!
 A quem servir? O rei Acabe era o exemplo e servia a ídolos que sua esposa Jezabel chamava de deuses. O povo, em sua maioria, seguia o rei.

O governante costuma servir de espelho para os governados... No dia em que houver um governante perfeito haverão governados perfeitos!
É o que pregam os senhores desse século e que decidem quem será a marionete que liderará por eles os países do mundo!

Naquele dia, no Carmelo, Baal faltou ao embate!
 Após um dia inteiro de orações, gritos (hoje também gritam muito por aí nos templos) e auto flagelo, os profetas de Baal desistiram.
 Como diz o Cláudio Duarte, quando Elias orou e disse “Senhor envia fo..” o fogo desceu e todo o altar que Elias preparou foi derretido e o sacrifício consumido.
O povo, contagiado gritou “verdadeiramente o Senhor (Jeová) é D'us” e mataram os profetas de Baal e de Asera.

Quem vencerá a Guerra espiritual pelo predomínio de sua mente?

A mente é o Campo de Megido! O lugar onde a Guerra tem sido disputada! O mal tem vencido muitas batalhas nas mentes de seres que roubam, matam, dizimam a natureza e cometem vilezas capazes de por em dúvida a natureza humana desses seres!

O antigo Livro diz que o mesmo D'us que venceu no Carmelo, cujo atributo é Amor, vencerá no Dia que já foi agendado por Ele mesmo a fim de que prevaleça apenas a harmonia que é baseada no amor incondicional que produz paz e perfeita convivência, sem a vileza do mal.

Será verdade?

Quem quer pagar pra ver?

Enquanto isso, aguardemos pelo dia 21 de dezembro de 2012 e não será motivo de espanto se o personagem que estava por trás do culto a Baal tirar proveito e induzir seus serviçais poderosíssimos como os Rotchilds e Rockfellers (Bildebergs) a matar uma parte gigantesca da população seja por eventos não naturais (a indução de tempestades violentas, erupção de vulcões provocadas artificialmente, terremotos provocados por explosivos estrategicamente colocados nas fendas das placas tectônicas, pulverização de químicos sobre as geleiras das cordilheiras à fim de provocar inundações e descontrole no clima...) na natureza, seja por violência de guerras em nome da paz.

É só aguardar.

Ronaldo Rhusso


domingo, 4 de março de 2012

Àqueles que nos doaram conhecimento (Republ.)






Hoje recebi mais um daqueles e-mails “prontos” indignados com a condição dos professores de escola pública!

O autor do e-mail deve ter sido ovacionado por aqueles que escolheram essa profissão acreditando, talvez, que algo mudaria e eles viriam ganhar algum dinheiro, além de que constatariam o fato mais surpreendente na história da humanidade contemporânea, ou seja, o fim dos “alunos” marginais e o interesse dos governos no aprendizado por parte da população que os elegerá no futuro!

Falemos do ganhar dinheiro:

Eu sei que só tenho 43 anos de idade e por isso, provavelmente, eu desconheça a existência de algum professor que tenha ficado rico a partir do seu salário;
Na Antiguidade os professores eram bastante valorizados! Tanto que eram escravos cultos, comprados por alto preço para esse fim, ou servos obstinados a transmitirem seu conhecimento a futuros reis ou governantes...

Você que está lendo já ouviu ou leu algo acerca de algum professor que tenha ficado rico à custa do salário? Eu sei que não.

Concluímos que essa não é uma profissão para quem deseja enriquecer e eu estou mencionando o verbo transitivo enriquecer pelo fato de que o autor do e-mail que gerou esse texto o tenha usado de forma irônica, mas eu o faço de forma racional.
“Alunos” marginais já transitavam nas salas de aula há séculos, mas era minoria e eram tratados como casos relacionados com a segurança pública.

No Brasil temos o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente – que protege esses bandidos; foi criado em 1990 e não por acaso foi o divisor de águas no sentido de legalizar o banditismo infanto juvenil.

Meu primeiro emprego foi aos nove anos de idade (quase dez). Eu me sentia super importante como auxiliar de pintor mecânico! A minha mãe, a dona Bernadete, me olhava toda orgulhosa quando eu chegava em casa com a roupa encardida, cansado, mas cheio de novidades para contar: “- Caraca, mãe! Hoje eu ganhei um dinheiro extra trocando o pára-choques de um carro de um ricaço! Ele me deu quase o valor do meu salário da semana! Olha só!”

Eu nem precisava trabalhar, mas a minha família entendia que para que uma criança respeitasse um profissional ela deveria aprender uma profissão logo cedo, ainda que não fosse exercê-la no futuro, porque só é capaz de respeitar um trabalhador quem é trabalhador e eu tinha e ainda tenho um respeito enorme por todos os profissionais que se dispuseram a dividir comigo a maior riqueza que eles tinham, ou seja, seu conhecimento!

O ECA decretou a vagabundagem juvenil!

Misturou (ou confundiu) trabalho escravo com trabalho digno e necessário para a formação e valorização da pessoa!
Hoje a ociosidade faz com que sobre tempo para maquinar o mal.
Os videogames ensinam de tudo um pouco; a televisão...

Eu jamais entraria numa sala de aulas para arriscar a minha vida e na melhor das hipóteses, a minha saúde, pois os consultórios psiquiátricos estão abarrotados de professores e não é por causa do salário, mas por causa do inferno que é uma sala de aulas!

Quando vou numa escola pública, na condição de palestrante, não saio sem comparar aquele recinto com um manicômio!

Em relação aos governantes do planeta desejarem que seus eleitores de agora e do futuro sejam incapazes de entender o que é caráter, honestidade e ética, além de patriotismo, bem como a importância dessas qualidades em um ser pensante, tem motivação óbvia e desnecessário se faz tecer qualquer comentário a respeito...

Onde está a Disciplina Educação Moral e Cívica?

Ah! Era coisa dos militares...

Não precisamos mais disso em nossas escolas “democráticas”.

Ser professor está muito acima de ser um profissional! É missão! Sou Missionário proselitista e estou em extinção da mesma forma que estão em extinção verdadeiros professores!

Hoje o nome que se dá é “Educador”!

O que é um educador?

Minha mãe era a minha educadora e ainda hoje a consulto quando preciso tomar alguma decisão difícil!

Então se a pessoa é educadora e não é pai ou mãe do educando é babá!

Qual o piso salarial de uma babá? R$ 622,00 (seiscentos e vinte e dois reais)?

Ora! Uma babá geralmente é contratada para cuidar de uma criança ou quando muito de duas ou três!

É uma profissional exclusiva! Quanto ganha um professor exclusivo?
Já dei aulas particulares e cobrava muito caro para isso!

Tente imaginar uma babá para quarenta adolescentes ou crianças!

Não. Professor não é educador. É mestre!
Mas como dizemos no Surf: existem os profissionais e os de alma!

Ser professor é acima de tudo ser um bravo e eu, embora tenha muito conhecimento e formação para tanto, me considero incapaz de exercer essa Missão numa sala de aulas, a não ser com uma escolta policial que não seja corrupta.

Onde eu acharia uma escola que fornecesse escolta policial? E ainda por cima não poderia ser corrupta!

Sei.

Minha solidariedade e homenagem a esses bravos de giz e apagador nas mãos!


Ronaldo Rhusso