domingo, 11 de março de 2012




Eu amo virar sapo!

As perguntas se vão rapidamente
E retorno a viver sem a cobrança
Aviltando o espaço que na mente
É devido a outro tipo de lembrança.

Oh! Ser sapo liberta totalmente
E alimenta, deveras, a esperança
Anelada por mim de, num repente,
Ocupar-me com coisas de criança...

É que o Reino de D’us, eis, lhe pertence
E é tão lindo entender co’a mente dela!
Acredito ser tal qual aquarela!

Eu elevo uma prece Ao que convence
Esse mundo de que, de fato, vence
O sentir sem querer tocar na tela.

Ronaldo Rhusso

Um comentário:

Meriam Lazaro disse...

Deve ser muito bom ser sapinho na lagoa para "não lavar o pé, não lavar porque não quer", como diz a canção infantil. Está muito bonito o seu blog.
Abraço,
Meriam