segunda-feira, 2 de janeiro de 2012



Mas não quiseste...

Gostaria que o verso olvidasse o espaço
e dissesse pro tempo: és criança e tens birra!
Gostaria que imerso em fervor do que acirra
todo mal, contratempo, eu deixasse o cansaço.

Mas eu ando disperso e me pego em escasso
dissolver passatempo e sentir-te qual mirra
revivendo reverso olor teu que me espirra
ao passado onde o tempo era o estardalhaço...

Prenda, entenda ou desista: eu sou sem nem ter sido
e de fato, eis o fato embebido em loucura
e sorvido de vista em chorar pela cura...

Se tivesses sentido o que tenho expelido
ao redor do que dista esse amor que hei sofrido
haverias querido o ouvir-me às escuras...

Ronaldo Rhusso

3 comentários:

Nuvembranca disse...

Belíssima poesia, parabéns amigo.

Karinna* disse...

*Longos abraços de sol para ti...
Um carinho
K*

Tecendo Pensamentos disse...

Sua poesia é terna, lírica e com uma profundidade poética encantadora.
Parabéns poeta, abraços fraternos.