quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Homenagem ao Redil onde nasci para o Reino de Deus...


Soneto à Casa do meu Pai!

Nasci em ti, ó Templo tão sagrado
A ponto de escorrerem-me na face
As lágrimas de quem foi amparado
Em hora crucial! Bom desenlace!

Do mundo escurecido, resgatado,
E sem temor deixei que me alcançasse
A graça excelsa do crucificado
E ressurreto Deus... Cessou impasse.

A Vida Eterna eu pude vislumbrar,
Qual tenra ovelha tímida e em dor
Que nunca desviou-se da proposta

Oferecida a quem a desejar:
Deixar-se sob as mãos do Salvador
Na I A S D do Nelson Costa!

Ronaldo Rhusso


Um comentário:

Mariaw disse...

Meu amigo, que felicidade ler-te! Virei sempre aqui para sentir a emoção que você passa na poesia.
Linda homenagem, linda poesia. Abraços da amiga, Mariaw