segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Papo sem cabeça...

A musa perguntou para o poeta:
“- Escreves sem pensar ou tens critério”?
Sorrindo, o bardo evita o impropério
e diz: “- Não penso, musa, estás correta”!

Feliz, a musa, linda e inquieta,
retruca: “- Se pensasses... Caso sério”!
O bardo entediado diz: “- Mistério
é escolher-te eu por musa e meta”...

A musa não desiste e interpela:
“- Agora estou ainda mais confusa!
Disseste bem de mim ou sou obtusa?

O bardo não resiste e triste apela:
“- Por que não te ocultas dessa tela
e trocas, tu de bardo e eu de musa”?

Ronaldo Rhusso



Um comentário:

Ineifran varão disse...

Um soneto com a marca do grande poeta que é. Abraços, caro poeta.